♥ Seguidores♥

Mostrando postagens com marcador #cinemanacional. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador #cinemanacional. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 7 de novembro de 2017

“VAZANTE”

“VAZANTE” 
De Daniela Thomas
Estreia dia 9 de novembro nos cinemas
Ontem foi o dia de prestigiar a pré-estreia do filme Vazante, que é um filme impactante, cheio de nuances e que nos ajuda a entender a profunda desigualdade social brasileira e o sistema patriarcal.
O roteiro é assinado por Daniela e pelo produtor Beto Amaral. O longa foi escolhido como Opening Film da mostra Panorama do 67º Festival Internacional de Cinema de Berlim e venceu os prêmios de melhor atriz coadjuvante para Jai Baptista e direção de arte (Valdy Lopes Jn) no 50º Festival de Brasília. Cisma Produções, Dezenove Som e Imagens e Ukbar Filmes assinam a produção. A coprodução é da Globo Filmes. Europa Filmes é a distribuidora.
Sinopse: Minas Gerais. Século XIX. O fazendeiro Antonio (Adriano Carvalho) volta à casa, depois de uma longa viagem conduzindo uma tropa de escravos. Ao chegar, descobre que a mulher morreu em trabalho de parto. Isolado em uma fazenda improdutiva, ele negocia um novo casamento com a filha de Dona Ondina (Sandra Corveloni), a menina Beatriz (Luana Nastas), enquanto faz a escrava Feliciana (Jai Baptista) vítima da violência. Antonio volta às expedições para negociar escravos e gado. Sozinha na propriedade, Beatriz se aproxima das crianças escravas. Uma traição implode na família em uma espiral de violência, que é o anúncio dos ventos da mudança.
Elenco:
Antonio - Adriano Carvalho
Beatriz - Luana Nastas
Dona Ondina - Sandra Corveloni
Dona Zizinha - Juliana Carneiro Da Cunha
Bartholomeu - Roberto Audio
Feliciana - Jai Baptista
Líder - Toumani Kouyate
Virgílio - Vinicius Dos Anjos
Jeremias - Fabrício Boliveira
Joana - Geisa Costa
Manuel - Alexandre De Sena
Porfírio - Adilson Maghá
Maria Joaquina – Maria Isadora
Francisca - Kelle Das Graças Lopes
Domingas - Maria Helena Dias (Mantega)
Naninha - Dinah Feldman
Padre - Vasco Pimentel
Benguela - Adão de Fátima Gomes
Sebastião - Adelsson Gonçalo Higino
Inácia - Maria Aparecida de Jesus Fátima
 
Alguns dos atores convidados para a pré-estreia:Guilherme Leme,Luciana Caruso e Marina Person.
 
FichaTécnica
Diretora - Daniela Thomas
Roteiristas - Daniela Thomas e Beto Amaral
Produtores - Beto Amaral, Maria Ionescu e Sara Silveira
Coprodutores - Pandora da Cunha Telles e Pablo Iraola
Produtor Associado - Fernando Meirelles
Diretora de Produção - Cristina Alves
Diretor de Fotografia - Inti Briones
Diretor de Arte - Valdy Lopes Jn
Som - Vasco Pimentel
Montadores - Estevan Schilling e Tiago Marinho
Figurinista - Cassio Brasil
Maquiagem - Rosemary Paiva
Uma Produção - Dezenove Som e Imagens, Cisma Produções e Ukbar Filmes
Coprodução - Globo Filmes
Distribuição - Europa Filmes
Assessoria De Imprensa: Primeiro Plano
Melhor atriz coadjuvante (Jai Baptista).

Espaço Itaú Frei Caneca.

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Praça Paris.

Praça Paris (Paris Square).
Brasil/ Portugal/ Argentina, 2017, 110min. Português.
Direção: Lucia Murat.
Ontem foi a primeira exibição em São Paulo do filme Praça Paris, que faz parte da 41ª Mostra Internacional de Cinema.
“Praça Paris” ganhou no Festival do Rio os prêmios de Melhor Direção, para Lúcia Murat, e Melhor Atriz, para Grace Passô. A coprodução Brasil-Portugal-Argentina é um thriller que mostra o conflito entre uma psicanalista portuguesa, Camila (Joana de Verona), que está no Brasil para estudos de pós-graduação na UERJ, e começa a atender Glória (Grace Passô), num Centro de Terapia da  universidade. Glória é ascensorista na universidade e tem um histórico de violência muito difícil: estuprada pelo pai, tem apenas o irmão, Jonas (Alex Brasil), chefe do tráfico, que  se faz presente e exerce enorme influência sobre sua vida, mesmo estando preso.  O filme mostra uma relação de transferência ao inverso, onde o medo do outro acaba dominando a trama.
Depois da exibição do filme, aconteceu um debate que contou com a presença de Grace Passô e Digão Ribeiro, que formam um dos casais protagonistas do filme.
Abaixo segue um pouco sobre o que Grace e Digão comentaram sobre diversos temas relacionados ao filme Praça Paris.
Grace:   A preparação para o filme normalmente se faz na relação entre roteiro e atores e direção. A gente partiu de leituras exaustivas do roteiro, e é importante dizer que tivemos uma preparadora. O filme trata de  questões extremamente complexas e dentro de um universo simbólico também muito complexo. Simbolicamente o fato da psicanalista ser portuguesa, o fato de quem é analisada ser uma mulher negra (do morro do Rio de Janeiro), o fato da violência permear a retratação do Brasil,  de um olhar do colonizador. 
O filme trata de muitas questões e a gente foi correr atrás, a Lucia, a preparação e a gente sobretudo através da linguagem e da atuação.  A gente foi correr atrás de tentativas de vencer determinados estereótipos ou sobretudo de dar conta desse universo simbólico tão complexo que tem esse filme. E tentando através de um  estudo clássico de roteiro entre atriz, direção e roteiro, entender como vencer os estereótipos.
É impossível não falar sobre essas questões numa sala de ensaio, em um processo de ensaio sem a gente discutir questões que são fundamentais e estruturais da nossa formação, como por exemplo o racismo. 
A Lucia tem um histórico e uma pratica ativa e muito aberta, em relação em conversar sobre a realidade brasileira  e entender quais que são as possibilidades dessa retratação e o que a linguagem cinematográfica abarque isso.
Infelizmente Lucia Murat não compareceu por motivos de saúde.
Grace: Faço teatro a quase 23 anos, sou atriz, dramaturga, diretora, mineira apesar de fazer uma carioca no filme.
Não conheço  a realidade do Morro carioca e o encontro com Digão foi extremamente interessante. Acho que também, por um modo de tentativa de sobrevivência ao próprio racismo brasileiro, a minha família durante a minha criação, tentou a todo custo me deixar longe de determinados lugares (Morros de BH). Isso é um ato extremamente questionável hoje, porque se eu tivesse filho hoje, eu os levaria.
A convivência com Digão foi muito boa porque e também no filme foi extremamente importante para estar no Morro da Providência, conhecer, vê como se articula a produção do filme para estar lá, a relação que se tem com o cinema no Morro, nessa comunidade com uma produção cinematográfica.
Digão: Meu nome é Digão (Diego Ribeiro), tenho 21 anos, ator, formado pela escola de teatro Martins Pena,  escola mais antiga de teatro da América Latina com 108 anos de história. Sou professor de teatro graduado e vim do RJ, da Cidade de Deus. Quando se fala sobre isso, do meu ponto de vista eu acredito que nossa sociedade esta cansada de ver retratada determinados assuntos, que de tanto falar acaba ficando maçante. Eu que vim da comunidade, enxergo hoje que existe uma energia muito forte para que as pessoas da comunidade permaneça na comunidade. Até de dentro da Comunidade as pessoas tem esse pensamento. 
Quando a gente fala da questão da comunidade, a gente tem que entender que por mais que seja maçante, e a gente não encontre solução, é essa a solução. Eu acho que o filme trás essa proposta de mostrar a realidade e descobrir a solução aqui juntos, debatendo, conversando, chegar a conclusão.
Infelizmente enquanto eu morar no Rio de Janeiro, no Brasil e ver todo dia noticia do que não tem nada mais perigoso para mim, do que ser um jovem negro, eu preciso falar sobre isso, de verdade.
Grace: É muito difícil fazer cinema no Brasil, estou falando nesta condição como mulher negra. A gente  que é negro/negra no Brasil, vive dentro, mergulhado numa espécie de tortura simbólica diária, isso na mídia, enfim, nas próprias linguagens artísticas. E o cinema de um modo geral, tem passado por uma espécie de revolução. Que vem acontecendo no Brasil e que vem, através de uma militância que esta ligada a vários movimentos, não um movimento e sim a vários negros e negras em movimento, que produz em redor disso,  uma espécie de farol na nossa sociedade. E eu sou nada mais, nada menos, fruto de uma luta muito grande de militâncias. 
Digão, Grace Passô e produtora Gabriela.
Elenco: Grace Passô (Glória), Joana de Verona (Camila), Alex Brasil (Jonas), Digão Ribeiro (Samuel), Babu Santana (Pastor), Marco Antonio Caponi (Martin).
sessões em São Paulo:
Domingo, 29/10 15:20 Espaço Itaú Frei Caneca 5
Segunda, 30/10 15:30 Cinearte 2

41ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo.

domingo, 22 de outubro de 2017

O Beijo No Asfalto.


O Beijo No Asfalto.
Direção e Roteiro: Murilo Benício.
A primeira exibição do filme "O Beijo No Asfalto" aconteceu na sexta 20/10, em São Paulo. A adaptação do livro de Nelson Rodrigues para o cinema é a estreia de Murilo Benício como cineasta, e que estreia. Murilo chegou arrasando com esse super filmaço.
O filme trata sobre temas relacionados principalmente a manipulação da mídia e a homofobia.
Um jornalista sensacionalista cria uma falsa acusação de homossexualidade com o apoio de um delegado de policia para vender jornais, esse é o mote do filme.
O filme trata sobre o preconceito, a hipocrisia e a falsa moral.
O filme O Beijo No Asfalto esta incrível. Aproveitem a Mostra Internacional de Cinema para conferir, ainda da tempo de ver o filme no: 
Instituto Moreira Salles - Av. Paulista 22/10/17 - 14:00 (Domingo)

Reserva Cultural - Av. Paulista 23/10/17 - 15:45 (Segunda).

Adaptação ousada de O Beijo no Asfalto, de Nelson Rodrigues, em preto e branco, mesclando cinema e teatro com grande comunicação com o público, fotografia de Walter Carvalho e elenco que traz Lázaro Ramos, Stenio Garcia, Débora Falabella, Otávio Muller e Augusto Madeira como protagonistas, com participação ainda de Fernanda Montenegro e Ney Matogrosso cantando a musica tema. Assim é o primeiro longa metragem como diretor do ator Murilo Benício, um projeto acalentado pelos últimos dez anos e produzido com um misto de recursos próprios e várias parcerias.
Baseado no texto de ‘O Beijo no Asfalto’, peça escrita por Nelson Rodrigues encenada pela primeira vez em 1961, o filme narra a história de Arandir, um homem que, num gesto banal, atende ao pedido de um beijo na boca feito por um sujeito prestes a morrer e que acabara de ser atropelado na Avenida Presidentes Vargas. O ato é teste montado por Amado, um repórter sensacionalista que passa a explorar o beijo entre dois homens para vender jornal, além de incitar a polícia a investigar uma suposta ligação entre Arandir e o morto. ‘O Beijo’ se centra na discussão sobre o poder da conspiração e na destruição na vida de um homem até então anônimo. Na trama, Arandir é envolvido nas acusações feitas por seu sogro, Aprígio, que insiste na idéia de que presenciou o beijo, quando, na verdade, estava de costas, e pela dúvida que a polícia e o repórter instauram na cabeça de sua mulher, Selminha.
ELENCO: Lázaro Ramos, Debora Falabella, Augusto Madeira, Otavio Muller, LuizaTiso, Amir Hadad - Participação Especial, Stenio Garcia – Ator Convidado, Fernanda Montenegro:como Dona Carminha, Raquel Fabri, Marcelo Flores, Arlindo Lopes.
Ney Matogrosso – Participação na Canção “A vida é ruim” de Caetano Veloso.
41ª Mostra Internacional de Cinema
informações  Procultura.

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Pelé - O Nascimento De Uma Lenda.

PELÉ – O NASCIMENTO DE UMA LENDA
Jeffrey Zimbalist e Michael Zimbalist

Estreia dia 26 de outubro nos cinemas.

Hoje aconteceu a coletiva de imprensa do filme Pelé - O Nascimento De Uma Lenda, e contou com a presença dos atores Milton Gonçalves e de Leonardo Lima Carvalho. Pelé era a presença mais aguardada, mas devido a problemas de saúde, não compareceu.

Um rapaz que não tinha nada, mas que mudou tudo...
A história de Pelé, o maior jogador de futebol de todos os tempos, de sua infância na cidade mineira de Três Corações até a consagração ao ganhar a Copa do Mundo de 1958 pelo Brasil, com apenas 17 anos.
Sinopse:PELÉ conta a milagrosa história da ascensão do lendário jogador de futebol para a glória, desde quando era um garoto até se tornar o jogador de 17 anos que marcou o gol decisivo na primeira vitória do Brasil na Copa do Mundo, em 1958. De origem pobre e juventude repleta de dificuldades, Pelé usou seu único e pouco ortodoxo modo de jogar e seu espírito imbatível para superar as desvantagens, encontrar a grandeza e inspirar um país que mudou para sempre.
Informações retiradas do release para imprensa.
Elenco:Leonardo Lima, Kevin de Paula, Diego Boneta, Colm Meaney, Seu Jorge, Rodrigo Santoro, Vincent D’Onofrio, Marianna Nunes, Milton Gonçalves, Rafael Henrique, Marcus Vinicius, Julio Levy, Thelmo Fernandes e Felipe Simas.
Cinemark Shopping Iguatemi.

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

“DIVÓRCIO”

“DIVÓRCIO”
Até Que O Amor Exploda.
Longa de Pedro Amorim, com Camila Morgado e Murilo Benício
estreia dia 21 de setembro.
Hoje foi a coletiva de imprensa do filme Divórcio, com a presença do diretor Pedro Amorim, do produtor LG Tubaldini Jr., do roteirista Paulo Cursino e dos atores Camila Morgado e Murilo Benício. 
O filme mostra o que causa o desgaste no relacionamento entre duas pessoas que se amam, mas que tem algumas diferenças de personalidade marcantes, além das interferências externas no cotidiano do casal.
Divórcio é um ótimo filme de comédia do cinema brasileiro, a história é super divertida e dei muitas risadas. Impossível não gostar dos personagens e do filme como um todo, Vale a pena assistir no cinema sim
SINOPSE: Noeli (Camila Morgado) e Júlio (Murilo Benício) são um casal humilde que enriquece quando inventam o molho de tomate Juno, que se torna um sucesso nacional.  Com o passar dos anos, já donos de uma grande empresa e com muito dinheiro, os dois se distanciam. E um incidente na estrada é a gota d'água para a separação. Enquanto buscam o melhor advogado para defender o patrimônio, o ex-casal se envolve em um processo de divórcio cheio de confusões e momentos hilários.
ELENCO: Murilo Benício, Camila Morgado, Luciana Paes, Thelmo Fernandes, Carol Seviran, Flávia Martins, André Mattos, Ângela Dippe, Cynthia Falabella, Bruna Tornarelli, Antônio Petrin, Lu Grimaldi, Gustavo Vaz, Robson Nunes, Jonathan Weel,
Participação especial: Sabrina Sato, Paulinho Serra.
FICHA TÉCNICA:
Diretor: Pedro Amorim
Produtores: LG Tubaldini Jr e André Skaf
Diretor de fotografia: Hélcio Alemão Nagamine
Diretora de Arte: Valéria Costa
Produtora executiva: Camila Groch
Produtora de Elenco: Marcela Altberg
Figurinista: Lelê Barbieri
Roteirista: Paulo Cursino (com colaboração de Angélica Lopes)
Argumento de: LG Tubaldini Jr
Empresa produtora: Filmland Internacional
Coprodução e Distribuição:  Warner Bros. Pictures
ASSESSORIA DE IMPRENSA - Primeiro Plano
Informações retiradas do release de divulgação de imprensa.