♥ Seguidores♥

Mostrando postagens com marcador #exposição. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador #exposição. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Em Trânsito.

Em Trânsito
A Stencil Art De Celso Gitahy.
Em Trânsito - a Stencil Art de Celso Gitahy marca os 25 anos de produção artística de um dos precursores da arte urbana do Brasil. 
As obras inéditas exploram diversos formatos e cria diálogos entre elementos aparentemente desconexos mas que se transformam em potentes informações para reflexão.
As imagens pop são usadas para tratar de temas da vida contemporânea como a tecnologia, o excesso de informações, a sedução do consumo, a não relação do homem com a natureza e a velocidade do cotidiano, os vícios da vida moderna.

As pílulas coloridas são uma espécie de assinatura do artista. Expressa a oposição entre conceito e forma: enquanto seu conceito remete à complexidade da vida moderna, sua forma é tao simples que chega ao minimalismo, permitindo sua pintura quase instantânea.
Celso Gitahy usa a expressão Em Trânsito para explicitar urgências da vida contemporânea e expandir a reflexão sobre a sociedade que construímos.

O fusca transformado em ambulância, que recebe a projeção de imagens de bulas de remédio mistuadas à iconografia do artista - uma alusão à velocidade, aos excessos e aos vícios da vida moderna.
Informações retiradas do programa da exposição.
Celso Gitahy.
Espaço de Exposição 
Centro Cultural Fiesp
Visitação até 22 de Outubro de 2017.

terça-feira, 2 de maio de 2017

j.Borges - 80 Anos.

J. Borges
80 Anos.
Curadoria: Marcelle Farias e José Carlos Viana.
J. Borges é um dos mais importantes artistas do Brasil. Patrimônio vivo de Pernambuco, nasceu em 20 de dezembro de 1935, no município de Bezerros.
Mestre da literatura de Cordel, é o xilogravurista brasileiro mais reconhecido no Mundo.
Sua obra já foi exposta na França, Espanha, Venezuela, Alemanha, Suíça e Estados Unidos, onde foi tema de uma reportagem do The New York Times, que o apontou como gênio da arte popular.
Para celebrar as oito décadas do artista, A Caixa Cultural apresenta a exposição J. Borges 80 Anos, trazendo uma coletânea de 10 xilogravuras inéditas.
Como J. Borges não tinha dinheiro para encomendar as ilustrações, passou a fazer ele mesmo suas matrizes, inovando o processo tradicional ao conceber uma técnica autoral para colorir as imagens.
Autodidata, J. Borges se tornou artista plástico. Desde então não parou mais de fazer matrizes por encomenda e também para ilustrar as centenas de cordéis que lançou ao longo da vida.
"A xilogravura nasceu em mim a partir da necessidade de ilustrar o cordel". J. Borges
"O ar cheira a tinta, cheira a madeira. As pranchas de madeira, em pilhas altas, esperam que Borges as talhe, enquanto as gravuras frescas. recém impressas, secam penduradas no arame de um varal. Com sua cara talhada em madeira, Borges me olha sem dizer nada." Eduardo Galeano
"Eles vêem meu trabalho como obra de arte, mas para isso acontecer eu tive que enfrentar muitos anos de luta com otimismo e esperança de vencer as dificuldades que me apareciam ao longo dessa trajetória". J. Borges
Reprodução gravura Plantio de Algodão.
Reprodução gravura No Meu Tempo De Criança.
Espaço dedicado a literatura de Cordel, que permite um verdadeiro mergulho na poesia popular de J. Borges, na qual ele versa com genialidade os acontecimentos, fatos políticos, lendários, folclóricos ou pitorescos da vida como ela é.
A Literatura de Cordel é um gênero literário popular escrito frequentemente na forma rimada, originado em relatos orais e depois impresso em folhetos que são ilustrados com xilogravuras. O nome tem origem na forma como tradicionalmente os folhetos eram expostos para venda, pendurados em cordas, cordéis ou barbantes.
Em 2006, J. Borges recebeu o título de Patrimônio Vivo de Pernambuco, assumindo assim a missão de transmitir seu conhecimento para as gerações futuras.
Caixa Cultural São Paulo
Até 07/05/2017
Observação: Todas as informações foram retiradas do catálogo J. Borges 80 Anos, distribuído gratuitamente pela Caixa Cultural.

sexta-feira, 28 de abril de 2017

Cícero Dias - Um Percurso Poético.

Cícero Dias - Um Percurso Poético.
A exposição apresenta 125 obras de um dos mais importantes artistas brasileiros.
A mostra traça um panorama da produção do Cícero Dias e divide suas obras em três etapas: Brasil, Europa e Monsieur Dias - Uma vida em Paris.
A exposição apresenta também, cartas, textos e fotos de Manoel Bandeira, José Lins do Rego, Gilberto Freyre, entre outros.

Cícero Dias é um importante artista pernambucano, que viveu em Paris e que teve uma longa e produtiva carreira. Sendo livre, ousado e fazendo o que lhe dava vontade, sem medo das críticas.
Cícero Dias integrou como nenhum outro artista brasileiro, a vanguarda artística europeia.

Cícero Dias foi o responsável por levar a poesia “Liberté” de Éluard para fora da França ocupada pelos nazistas. Impressa pelos Aliados, a poesia foi jogada de avião sobre Paris, para dar ânimo à Resistência. Por essa ação, Cícero foi condecorado no final da Guerra. 
Segue um trecho:
...Na ausência sem mais desejos
Na solidão despojada
E nas escadas da morte
Escrevo teu nome

Na saúde recobrada
No perigo dissipado
Na esperança sem memórias
Escrevo teu nome

E ao poder de uma palavra
Recomeço minha vida
Nasci pra te conhecer
E te chamar

Liberdade

CCBBSP (Centro Cultural Banco do Brasil).
Até 03/07/2017.
Entrada Grátis.

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Exposição Lamínima 20 Anos.

Exposição Lamínima 
20 Anos.
O Grupo La Mínima foi criado em 1997 por Domingos Montagner e Fernando Sampaio (Agenor e Padoca). E é uma Cia que é ao mesmo tempo circo e teatro e que atua em feiras, ruas, teatros, circos,... interpretando nos espetáculos os mais diversos tipos de textos.
A exposição "La Mínima" apresenta objetos, vídeos, posteres e diversos materiais que fez parte dos cenários dos trabalhos apresentados pela LaMínima, durante os 20 anos de estrada.
O Circo Zanni é um dos circos de maior destaque nacional e faz parte da história da Cia LaMínima. 
Cenário criado para a Exposição e que representa a essência da Cia LaMínima.
Objetos e roupas utilizados no espetáculo Athletis.
Acervo do espetáculo Luna Parke. Que era um parque ambulante com diversas atrações: monga, o homem-bala,...
Cia De Ballet - La Mínima Cia de Ballet (1997), foi o primeiro espetáculo do grupo que deu origem ao seu nome. O espetáculo caracterizou o trabalho da dupla Domingos Montagner e Fernando Sampaio, dento da comicidade física e do humor das palavras.
A exposição é linda e rica em detalhes, vale muito a pena ir conhecer.

Quem ama circo e teatro, não pode deixar de conferir o processo criativo dos artistas: Fernando Sampaio e Domingos Montagner (in memoriam). 

Fernando Sampaio e Domingos Montagner (in memoriam).
Centro Cultural Fiesp
Até 09 de julho (10h às 20h).